Home > SP > 16 pontes e viadutos de SP precisam de inspeção emergencial para identificar risco de colapso

16 pontes e viadutos de SP precisam de inspeção emergencial para identificar risco de colapso

No total, 33 estruturas foram vistoriadas até agora. Vistorias preliminares foram feitas após viaduto da Marginal Pinheiros ceder em 2018.

A Prefeitura de São Paulo divulgou nesta terça-feira (5) uma lista com 16 pontes e viadutos que precisam de perícia completa emergencial para identificar o risco de colapso. Metade está localizada na Zona Oeste da cidade. A lista foi concluída após vistoria de 33 estruturas na cidade e o número atualizado pela Secretaria de Infraestrutura e Obras no final da tarde desta terça-feira (5).

Há um prazo de até 4 meses, a partir da emissão da ordem de serviços, para que esses laudos fiquem prontos.

Uma análise preliminar das estruturas começou a ser feita após o viaduto da Marginal Pinheiros próximo ao Parque Villa-Lobos ceder, em novembro do ano passado. Um grupo de trabalho da Prefeitura definiu que, para as estruturas com nota de avaliação inferior ou igual a 2, seriam feitas “contratações emergenciais de inspeções especiais”.

Essas inspeções servirão para avaliar o “grau de risco existente” em cada estrutura e que intervenções são necessárias.

No primeiro lote foram 11 vistorias, das quais em oito já foi dada ordem de serviço para a realização, por emergência, dos laudos estruturais:

• Ponte Casa Verde

• Jânio Quadros

• Bandeiras

• Freguesia do Ó

• Cruzeiro do Sul

• Tatuapé

• Ponte Dutra – acesso Expressa

• Ponte Dutra – acesso Marginal

Para as pontes do Limão e Aricanduva, além do viaduto General Milton Tavares, será feita licitação pública para contratação dos trabalhos.

Na quinta-feira (1º) foram publicadas no Diário Oficial da Cidade de São Paulo seis novas contratações emergenciais para empresas realizarem as radiografias das seguintes estruturas:

• Ponte Eusébio Matoso

• Cidade Universitária

• Cidade Jardim

• Viaduto Gazeta do Ipiranga

• Grande São Paulo

• General Olímpio da Silveira

Estas obras integram o segundo lote de 13 vistorias visuais, das quais os laudos de sete viadutos serão contratados por meio de licitação pública. São eles: Pacheco Chaves, Paraíso, Pedro de Toledo, Alcântara Machado, General Euclides Figueiredo, Comendador Elias Nagib Breim e Engenheiro Alberto Badra.

Um novo lote com nove vistorias ficou pronto nesta terça-feira e dois viadutos devem ser vistoriados com emergência: com os seguintes viadutos:

• Naor Guelfi

• Miguel Monfarrej

Os demais serão contratados por licitação: Carlos Ferraz, Brigadeiro Luís Antonio, General Marcondes Salgado, Jabaquara, João Julião da Costa Aguiar, Major Quedinho e Washington Luis

A gestão municipal afirma que chegou a tal número desde que começou a vistoriar as estruturas da cidade após o viaduto Marginal Pinheiros, em frente ao Parque Villa-Lobos, ceder em novembro do ano passado.

No final do mês passado, o Tribunal de Contas do Município (TCM) atendeu um pedido da Prefeitura e flexibilizou as regras para a contratação emergencial de empresas para a vistoria de todas as 185 pontes e viadutos da cidade.

Segundo o relatório, a pior situação é do Viaduto Fazenda do Ipiranga, que liga a Rua das Juntas Provisórias com a Avenida do Estado. O SP1 constatou uma abertura que cabe o pé de um adulto entre duas placas do viaduto.

O SP1 também visitou o Viaduto Grande São Paulo nesta terça e constatou que há uma grande rachadura na lateral, que dá para ver as ferragens e uma grande infiltração de água. Na calçada, uma cratera bem profunda, com muito lixo acumulado. O viaduto foi atingido por um incêndio nos anos 2000 e do lado debaixo, onde o fogo se concentrou, o concreto ainda está se desmanchando.

Na Ponte Cidade Universitária, os engenheiros da Prefeitura encontraram problemas na armadura de ferro e no revestimento de concreto, causado pelos caminhões com excesso de altura que acabam batendo na parte mais baixa da estrutura.

Interdições

No dia 23 de janeiro, a gestão municipal interditou a ponte que dá acesso à Rodovia Presidente Dutra pela pista expressa da Marginal Tietê.

A alça de acesso fica na pista sentido Rodovia Ayrton Senna. A interdição foi feita pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) a pedido da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras (Siurb) após vistoria apontar rompimento de uma viga de apoio da estrutura num pilar.

Na ocasião, a Prefeitura afirmou que o problema é semelhante ao ocorrido no viaduto da Marginal Pinheiros que cedeu em novembro do ano passado. “No entanto a estrutura não cedeu e o pilar está preservado”, dizia comunicado.

Além de levar ao Rio de Janeiro, a Dutra é utilizada por motoristas que vão ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Fonte- G1- 5/2/2019- https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/02/05/oito-pontes-e-viadutos-de-sp-precisam-de-pericia-completa-por-risco-de-colapso.ghtml

Leia também
Justiça paulista barra mudanças no vale-transporte
Divulgados os novos pisos salariais para o Estado de São Paulo
Fornecedores não afetam notas de empresas paulistas
Alesp aprova reajuste do salário mínimo paulista