Home > CLT > Temer conseguiu fazer alteração em mais de cem pontos da CLT, diz Padilha

Temer conseguiu fazer alteração em mais de cem pontos da CLT, diz Padilha

Padilha lembrou a aprovação da reforma trabalhista durante reunião do Conselho Desenvolvimento Econômico e Social (CDES)

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse nesta quarta-feira, (21/3), que o presidente Michel Temer conseguiu, “sem estardalhaço” modificar mais de 100 pontos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Padilha lembrou a aprovação da reforma trabalhista durante reunião do Conselho Desenvolvimento Econômico e Social (CDES). “Durante 50 anos falou-se em mudanças na CLT e nunca se conseguiu. O presidente Temer, com negociação, sem estardalhaço, conseguiu fazer alteração em mais de 100 pontos da CLT”, afirmou.

Padilha disse ainda que a proposta de debate da reforma de PIS/Cofins está em “avançado estágio de debate”. Segundo ele, o governo apoiou e continua apoiando um amplo debate sobre licenciamento ambiental.

O ministro apresentou um balanço do que foi feito no conselho e disse que 65% das sugestões do órgão foram implementadas pelo governo, o que afirmou ser inédito. Padilha apresentou um leque amplo de “entregas” do governo envolvendo várias pastas, como Educação, Agricultura e Fazenda.

De acordo com o governo, as ações – que já vêm sendo lançadas pelas pastas sem menção ao CDES – foram pedidos do Conselhão atendidos por Temer, incluindo desde programas de agricultura familiar, eSocial para grandes empresas, portal de serviços para o cidadão até a instalação de internet nas escolas.

Entre as ações, o ministro ressaltou o recorde de regularização fundiária e disse que o governo atual fez mais pela área do que governos passados. Outro destaque foi a criação de um Conselho Nacional de Desburocratização, com 23 comitês permanentes de desburocratização.

Depois de críticas ao governo Temer pela pouca presença feminina, em seu discurso Padilha citou a presença de umas das conselheiras, que compareceu à reunião com um bebê de colo.

Fonte: Correio Braziliense; Clipping da Febrac- 22/3/2018.

Leia também
Ações de menor indenização superam pedidos mais caros após nova CLT
Lei nº 13.767, de 18 de Dezembro de 2018
Correção monetária na Justiça do Trabalho
Política, economia e despreparo do lojista inibem uso da nova CLT