Home > CLT > Segunda instância judicial agora define tudo? Como fica a lei trabalhista

Segunda instância judicial agora define tudo? Como fica a lei trabalhista

No dia 12 de abril, uma juíza do trabalho de Vitória, no Espírito Santo, determinou que uma empresa pagasse integralmente uma indenização a um funcionário assim que se esgotem os recursos da defesa em segunda instância judicial.

Germana de Morelo, que é juíza substituta de primeiro grau, determinou a execução da sentença com base no entendimento do Supremo Tribunal Federal, de 2016, de que um condenado em segunda instância já pode começar a cumprir pena, mesmo que ainda haja recursos disponíveis em tribunais superiores. Desde então, juízes de primeira instância podem determinar a execução da sentença quando a segunda instância confirma a condenação.

Esse entendimento foi reafirmado no caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 4 de abril de 2018. O Supremo negou um habeas corpus ao ex-presidente e abriu caminho para sua prisão – o petista já estava condenado criminalmente em segunda instância. Em 6 de abril, o juiz de primeira instância Sergio Moro decretou a prisão de Lula. A aplicação do entendimento num processo não-criminal, porém, é controversa.

A Justiça do Trabalho possui três instâncias: Varas do Trabalho (primeira instância), Tribunais Regionais do Trabalho (segunda) e Tribunal Superior do Trabalho (última instância).

O caso em questão

Um engenheiro civil acionou a Justiça para cobrar o pagamento de horas extras e adicional por insalubridade da empresa Ferrostaal, na qual trabalhava. O engenheiro realizava manutenção em um equipamento que armazenava monóxido de carbono – um gás tóxico.

O ex-funcionário ganhou o processo em primeira e segunda instâncias e, de acordo com o portal jurídico Jota, vai receber R$ 1,39 milhão da empresa.

Seguindo o entendimento do Supremo, a juíza também argumenta que o exame de provas ocorre nas duas primeiras instâncias. Como recursos a instâncias superiores – que analisam apenas violações no processo – não têm efeito suspensivo, a juíza determinou “a alienação de bens e pagamento dos valores devidos ao credor quando superadas as instâncias primárias”. Em outras palavras, quando se esgotarem os recursos na segunda instância, a indenização deve ser paga diretamente ao empregado.

O caso gera controvérsia porque, na maioria das vezes, as empresas depositam o valor da indenização em juízo ou penhoram bens quando perdem um processo trabalhista em segunda instância. É uma forma de garantir à Justiça que o valor devido ao funcionário está à disposição, mas de não pagar efetivamente para o funcionário até que todos os recursos da defesa se esgotem.

E pode?

Por se tratar de um caso inédito, a adequação do despacho da juíza do Espírito Santo ainda está em debate. O Nexo conversou com dois professores de direito constitucional para saber, na opinião deles, se a juíza devia aplicar o precedente do Supremo a um processo trabalhista. São eles:

• Rubens Glezer, professor da FGV-SP

• Luiz Alberto David Araújo, professor da PUC-SP

A decisão do Supremo de permitir execução da pena após segunda instância pode ser aplicada a processos trabalhistas e cíveis?

RUBENS GLEZER A pergunta que a gente pode responder, a partir da documentação disponível sobre esse caso específico, é se a argumentação que ela usou [para aplicar a decisão do Supremo a um processo trabalhista] é boa o suficiente.

Como funciona a questão dos precedentes em direito? A gente precisa conseguir, por meios argumentativos, demonstrar que um caso é semelhante a outro de maneira juridicamente relevante.

Vou dar um exemplo. Suponha que um detento da Fundação Casa perde o olho porque tomou tiro de um agente de segurança. Em que medida um outro caso hipotético, em que uma criança fura o olho da outra com uma tesoura, serve de precedente para pensar a indenização da vítima no outro caso? No direito não existe nenhum critério convencional, ou fixo, determinando que um precedente pode ser aplicado se o dano ocorre no olho, ou se é causado por um agente. Tudo isso é muito argumentativo.

No caso desse processo trabalhista, a juíza argumentou que como é possível executar uma condenação antes do trânsito em julgado para casos de [restrição à] liberdade [prisão], é possível determinar a execução em casos que envolvem valores menos importantes do que a liberdade, caso do patrimônio. Se é possível decidir nesse sentido quando se trata de algo tão grave quando privação de liberdade, é possível fazer em outros casos. E o argumento, nas duas situações, é que o exame de provas já foi resolvido [essa tarefa é realizada apenas na primeira e segunda instâncias].

Faltou, porém, a apresentação de uma justificativa mais detalhada. É preciso entender a lógica e os princípios do direito trabalhista. A priori, a decisão da juíza não é abusiva, política ou tecnicamente incorreta, mas a qualidade desse argumento depende de mostrar como o raciocínio da decisão do Supremo se aplica à lógica de processo e execução [de sentença] trabalhista. Isso a juíza não fez, a decisão é bastante curta.

É possível dizer que uma decisão que cria uma inovação como essa, que transita do campo penal para o trabalhista, precisaria obrigatoriamente explicar a lógica que transfere o precedente de um campo para outro. Ou seja, essa transferência é possível, mas a juíza não cumpriu com o dever dela de cumprir o que nós chamamos de ônus argumentativo, que é a necessidade de justificar uma medida.

O Código de Processo Civil determina que quando um juiz vai usar um precedente, é necessário justificar, apenas mencionar que existe um outro caso que vai servir como precedente é insuficiente.

LUIZ ALBERTO DAVID ARAÚJO A decisão da juíza que aplicou o precedente de segunda instância do Supremo a um processo trabalhista está errada. Ela não podia fazer isso porque a defesa tem o direito de garantir o juízo [depositar a indenização em uma conta judicial ou penhorar um bem até que todos os recursos se esgotem e o caso seja encerrado]. Os dois bens [liberdade e patrimônio] são completamente diferentes, de naturezas diferentes, não dá para aplicar o precedente do Supremo ao pagamento de uma indenização.

É inegável que um trabalhador tem o direito de receber o dinheiro se há uma decisão favorável da Justiça, mas a indenização dele fica garantida quando o empregador [recorre e deixa] bens em juízo. O juiz pode dizer “essa garantia não é boa, eu quero que deposite em dinheiro”, aí o empregador deposita o dinheiro em juízo, fica à disposição da Justiça enquanto a defesa recorre, não é para pagar imediatamente para o empregado [porque o processo ainda não terminou].

São escalas de bens diferentes. Não se pode colocar no mesmo cesto um direito como liberdade individual e patrimônio, porque se a empresa recorre e deposita o dinheiro em juízo o patrimônio devido ao empregado está garantido até que ocorra uma sentença final.

A execução provisória de sentenças em segunda instância no caso de processos trabalhistas e cíveis já ocorre há muito tempo. Na maioria das vezes, o juiz determina a execução provisória e a defesa apresenta embargos de execução, alegando que prefere depositar a indenização em juízo ou colocar um bem a penhora enquanto recorre da decisão. A defesa pode argumentar que a execução não é definitiva, está incorreta, mas que vai garantir a disponibilidade dos recursos para pagamento de indenização em juízo, mas não à disposição do empregado porque ainda é possível apresentar recursos. Ou seja, esse valor é depositado como garantia, não diretamente ao empregado.

No processo criminal isso não existe, não tem como “deixar a liberdade como garantia”. Ter a liberdade pessoal em xeque pelo risco de prisão e a execução pecuniária são coisas completamente diferentes.

Um dos argumentos dos ministros do Supremo para permitir a prisão em segunda instância era o risco de prescrição dos casos [quando o Estado demora para julgar ou executar a pena e o processo caduca]. Os processos trabalhistas e cíveis, porém, não prescrevem. Se a ação foi ajuizada, a prescrição está interrompida.

Fonte: NEXO, por Paulo Flores, 20.04.2018-
http://www.granadeiro.adv.br/clipping/doutrina/2018/04/24/segunda-instancia-judicial-agora-define-tudo-fica-lei-trabalhista

Leia também
Ações de menor indenização superam pedidos mais caros após nova CLT
Lei nº 13.767, de 18 de Dezembro de 2018
Correção monetária na Justiça do Trabalho
Política, economia e despreparo do lojista inibem uso da nova CLT