Nossos serviços
Últimas notícias jurídicas
Parceiros

Publicado em 10/10/2018 às 15h58 - Atualizado em 10/10/2018 às 15h58

Seguro-desemprego precisará passar por ajustes, dizem técnicos do governo

Apesar de a despesa estar estacionada há três anos, gasto, hoje na casa dos R$ 40 bi, chegaria a quase R$ 50 bi em 2021


Embora tenham estacionado nos últimos três anos, as despesas com seguro-desemprego ainda pesam no Orçamento federal e precisarão passar por novos ajustes no futuro. A avaliação é de técnicos do governo, que apontam a necessidade de reequilibrar as contas públicas. Depois de mudanças feitas na regra de pagamento do benefício em 2015, os gastos ficaram na casa dos R$ 40 bilhões, mesmo com a alta do desemprego no país.

No entanto, a tendência para os próximos anos é que a despesa volte a subir. A recuperação da atividade econômica com a geração de empregos e o elevado índice de rotatividade no mercado de trabalho são os principais fatores de pressão.

De acordo com diagnóstico da área econômica, em 2014, quando a taxa de desemprego estava em 6,5% (segundo pesquisa do IBGE), patamar historicamente baixo, o governo desembolsou R$ 37,2 bilhões com o benefício. No ano seguinte, o gasto ficou em R$ 38,3 bilhões e depois caiu para R$ 37,7 bilhões em 2016. No ano passado, a despesa permaneceu praticamente estável, em R$ 37,9 bilhões, mesmo com a taxa de desocupação tendo quase dobrado, para 12%. Entre 2014 e 2017, um universo de quase dois milhões de trabalhadores deixaram de receber o seguro-desemprego.

Isso aconteceu por causa da mudança na legislação, que tornou mais difícil o acesso ao seguro-desemprego. Antes, bastava ter um tempo de serviço com carteira assinada de seis meses para requerer o benefício. Com a alteração, foi criada uma regra escalonada: na primeira vez em que o trabalhador recorre ao seguro, é preciso ter pelo menos um ano no emprego; na segunda, nove meses; e na terceira, seis meses.

No entanto, projeções oficiais indicam que o desembolso anual com o seguro-desemprego romperá a casa dos R$ 40 bilhões no próximo ano, devendo subir até encostar em quase R$ 50 bilhões em 2021. Até o terceiro bimestre de 2018, está em R$ 39,5 bilhões.

Sines mais eficientes

Na avaliação de técnicos da equipe econômica, apertar ainda mais o acesso ao seguro-desemprego não é a melhor opção. Eles defendem adoção de medidas para melhorar o sistema de funcionamento dos postos do Sistema Nacional de Emprego (Sine). A ideia é tornar esses órgãos mais eficientes na intermediação de mão de obra e não apenas meros receptores de pedidos do benefício. Além disso, é preciso destinar mais recursos para qualificação de trabalhadores para facilitar a recolocação no mercado de trabalho.

A expectativa é que uma lei aprovada em maio deste ano torne os postos do Sine mais eficazes. A proposta estimula o uso de novas tecnologias para facilitar a intermediação de mão de obra, como redes sociais, e uma ação articulada nas três esferas de governo para adequar a oferta à demanda das empresas.

Segundo o especialista Rodolfo Torelly, o Brasil, ao contrário de outros países, não investe num sistema de emprego nem em medidas de administração e controle. Ele lembrou que a verba federal destinada à manutenção dos postos do Sine e para qualificação de trabalhadores caiu muito nos últimos anos, justamente por causa do arrocho fiscal.

FONTE: jornal O Globo- 10/10/2018-
http://fsindical.org.br/forca/seguro-desemprego-precisara-passar-por-ajustes-dizem-tecnicos-do-governo


Veja também

- Reflexões quanto ao novo Regulamento do Imposto de Renda
- STJ analisa ações sobre franquia de bagagens em voos
- Instrução Normativa RFB nº 1.856, de 13 de Dezembro de 2018
- Jurisprudência em Teses trata de seguro de dano
- Câmara Nacional de Arbitragem Trabalhista tem primeira audiência em Curitiba