Nossos serviços
Cursos, eventos & palestras
Últimas notícias jurídicas
Parceiros

Publicado em 15/05/2018 às 14h45 - Atualizado em 17/05/2018 às 15h47

Setor de serviços recua 0,2% em março, diz IBGE

Conheça o levantamento divulgado nesta terça-feira pelo IBGE


O setor de serviços recuou 0,2% em março na comparação com fevereiro, segundo levantamento divulgado nesta terça-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já na comparação com março do ano passado, a queda foi maior, de 0,8%.

No acumulado no 1º trimestre, o indicador de atividade de serviços caiu 1,5%, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Já na comparação com o 4º trimestre, houve queda de 0,9%, levando o setor de volta para o vermelho, após avanço de 0,5% no trimestre imediatamente anterior.

No acumulado em 12 meses, o índice está negativo desde junho de 2015 e encerrou março com recuo de 2%. Porém, o ritmo desta queda tem desacelerado desde abril de 2017, quando ficou em -5,1%.

De acordo com o gerente nacional da pesquisa, Rodrigo Lobo, os últimos resultados mostram que o setor de serviçois, “depois de ter atingido em março de 2017 o ponto mais baixo de sua série histórica, ainda não conseguiu se recuperar inteiramente”.

Na comparação interanual (mês contra igual mês do ano anterior), o setor de serviços mantém taxas negativas há três anos. “Dos últimos 36 resultados, apenas dezembro do ano passado foi positivo, depois de 32 resultados negativos consecutivos, e os três resultados deste ano continuaram negativos”, disse.

Lobo destacou que, em março deste ano, o patamar do setor estava apenas 0,8% acima do ponto mais baixo da série, e distante 12,8% do ponto mais alto. “Isso mostra que ele ainda opera muito mais próximo desse ponto mais baixo do que sinaliza uma recuperação”

Na análise por setores, houve queda em 3 das 5 atividades pesquisadas. O maior recuo foi verificado nos serviços profissionais, administrativos e complementares (-1,8%), seguido pelos segmentos de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-0,8%) e outros serviços (-0,4%).

Por outro lado, tiveram alta os serviços de informação e comunicação (2,3%) e os serviços prestados às famílias (2,1%).

Apesar da recuperação em março, os serviços prestados às famílias ainda acumularam queda de 2,4% no 1º trimestre.

Já o índice de atividades turísticas avançou 2,0% em relação a fevereiro.

Segundo o IBGE, apenas 8 dos 27 estados tiveram recuo no volume dos serviços em março de 2018, na comparação com fevereiro, com destaque para o Rio Grande do Sul (-2,9%). As maiores altas foram verificadas no Rio de Janeiro (0,8%), no Distrito Federal (4,1%) e em São Paulo (0,2%).

Já na comparação com igual mês de 2017, houve queda em 22 das 27 unidades da federação. Os maiores foram observados em Minas Gerais (-3,2%), Bahia (-6,9%), Rio Grande do Sul (-3,7%) e Ceará (-8,9%). Já a a expansão mais relevante para o índice nacional veio de São Paulo (1,4%).

O Brasil vem mostrando dificuldade em engatar um ritmo consistente de recuperação no início deste ano, mesmo em um ambiente de inflação e juros baixos, uma vez que o desemprego segue alto e limita o consumo num ano eleitoral carregado de incertezas.

Dados já divulgados pelo IBGE mostraram que a indústria e o comércio também perderam ritmo no 1º trimestre. As vendas do varejo cresceram 3,8% no acumulado no 1º trimestre, a quarta alta consecutiva, porém em um ritmo mais lento do que nos últimos três trimestres.

Já a produção da indústria brasileira caiu 0,1% em março frente a fevereiro, encerrando o primeiro trimestre estagnada, na comparação com o trimestre anterior.

Os economistas do mercado financeiro reduziram na última semana a previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, de 2,70% para 2,51%, segundo pesquisa Focus do Banco Central.

Fonte- G1- 15/5/2018- http://www.seteco.com.br/setor-de-servicos-recua-02-em-marco-diz-ibge-g1/


Veja também

- Reforma no Fórum Trabalhista Ruy Barbosa segue até novembro
- Ministro do TST analisa acordo para pagamento de contribuição sindical
- REFORMA TRABALHISTA- TST diz que normativas da CLT não podem retroagir
- Reconhecido cerceamento de defesa por indeferimento de intimação de testemunha por carta precatória
- Quarta Turma mantém decisão que não reconheceu dano moral por espera em fila de banco