Nossos serviços
Cursos, eventos & palestras
Últimas notícias jurídicas
Parceiros

Publicado em 12/03/2018 às 14h27 - Atualizado em 13/03/2018 às 16h05

Aplicativo para consulta processual está disponível em todos os TRTs

O aplicativo Justiça do Trabalho Eletrônica (JTe-Mobile) passou a ser acessível para todos os magistrados, advogados e partes interessados em...


O aplicativo Justiça do Trabalho Eletrônica (JTe-Mobile) passou a ser acessível para todos os magistrados, advogados e partes interessados em acompanhar processos pelo celular. O Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (AM e RR) é a última corte a adotar a ferramenta, desenvolvida pelo TRT da 5ª Região (BA).

Com o app, é possível consultar casos por número, ano e vara. No campo “Meus Processos”, são listadas todas as ações relacionadas a advogado, parte e perito. O usuário pode definir quais processos pretende acompanhar permanentemente, fixando-os como favoritos, e ainda receber notificações das movimentações, adicionar notas locais e marcadores.

O módulo de Conciliação permite elaborar minutas de acordo e até mesmo participar de negociação direta com a parte contrária por meio de uma sala de bate-papo ao vivo pelo celular. Basta ao advogado fazer login no aplicativo, adicionar o processo na lista de favoritos e acessar a opção “Conciliar”.

Magistrados e advogados que estiverem autenticados também podem acessar a ferramenta de chat, para troca de mensagens instantâneas entre usuários com o mesmo perfil. Com a câmera do celular, o usuário pode ler o código de barras de documentos produzidos e até validar a sua autenticidade.

O JTe-Mobile tem uma atualização prevista para a próxima segunda-feira (12/3). Foram registrados mais de 130 mil downloads nas plataformas Android e IOS desde 2016, quando o aplicativo foi nacionalizado pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-5.

Fonte: Revista Consultor Jurídico; Clipping da Febrac- 12/3/2018.



Veja também

- Reforma no Fórum Trabalhista Ruy Barbosa segue até novembro
- Ministro do TST analisa acordo para pagamento de contribuição sindical
- REFORMA TRABALHISTA- TST diz que normativas da CLT não podem retroagir
- Reconhecido cerceamento de defesa por indeferimento de intimação de testemunha por carta precatória
- Quarta Turma mantém decisão que não reconheceu dano moral por espera em fila de banco